Notícias

  • 25/06/2019

    Vivo assina convênio com o Instituto Mano Down para envio de 500 mil SMS social

    Foi assinado no último dia 18 de junho, na Regional Minas, um termo de adesão e cooperação entre a Vivo e o Instituto Mano Down para distribuição de 500 mil SMS social com o objetivo de divulgar a instituição e seus projetos de socialização, desenvolvimento potencializado, mobilização para autonomia e inserção no mercado de trabalho de pessoas com síndrome de Down.
     
    A distribuição será feita nos sete DDDs de Minas Gerais aos clientes que autorizaram o recebimento de mensagens SMS, sendo enviados neste mês, no dia 26, e em julho, no dia 16, com a seguinte mensagem: “O Instituto Mano Down ajuda a transformar a vida de pessoas com a síndrome de Down. Faça parte dessa causa também. Saiba mais em: www.manodown.com.br Apoio VIVO”. O acordo foi assinado pelo diretor Regional Minas, Renato Gomes, e pelo presidente do Instituto Mano Down, Leonardo Gontijo Vieira Gomes.
     
    “Estamos muito felizes com a parceria entre a Vivo e o Instituto Mano Down, uma causa que abraçamos dentro do programa Diversidade. Quando você se envolve e acredita, você muda o seu olhar. E é isso o que estamos fazendo aqui. Além de contratar uma colaboradora com síndrome de down, que trabalha como recepcionista na nossa loja da Savassi e que tem recebido elogios dos nossos clientes, fizemos também um “Acontece na Vivo” muito rico sobre inclusão e diversidade na nossa loja da Savassi. Acredito que teremos outras boas ações provenientes dessa parceria”, afirmou Gomes.
     
    Para Leonardo Gontijo, essa parceria é um grande marco para o Mano Down. “Eu sempre digo que é preciso respeitar as diferenças fazendo a diferença. E é exatamente isso que a Vivo faz, ao usar a força de sua marca e seus serviços em prol da nossa causa. Com certeza, o trabalho sério que desenvolvemos ao longo de todos esses anos no Instituto terá muito mais visibilidade a partir de agora. Só tenho a agradecer à Vivo e a todos que fazem dessa uma parceria de muito valor”, destacou.
     
voltar